sábado, 23 de janeiro de 2010

Santa Missa Tridentina

A Santa Missa Tridentina é um rito católico válido, que fora abundantemente utilizado pela Igreja Católica antes do Concílio Vaticano II. Nesse sentido, como já ouvi dizer algures, é a missa dos nosso avós: foi à sombra deste rito que quase todos os nossos antepassados se tornaram católicos.

Também denomindada Missa de São Pio V por ter sido promulgada por este Santo Padre, aos 5 dias do mês de Dezembro do ano de 1570, em resposta ás recomendações do célebre Concílio de Trento, no qual tomou parte o Bem-Aventurado Bartolomeu dos Mártires (Lisboa, 1514 - Viana do Castelo, 1590).

A Santa Missa celebrada segundo o Rito Tridentino apresenta ínumeras diferenças relativamente ao Novus Ordo, das quais saliento as quatro seguintes:
  • A existência das denominadas "Orações ao Pé do Altar", proferidas antes do sacerdote subir os degraus que o levam ao altar;
  • A celebração é obrigatoriamente em latim, excepto a Epístola e o Evangelho, que podem ser na língua vernácula;
  • O Canon ou Oração Eucarística é dita apenas pelo sacerdote em silêncio;
  • A existência de um Evangelho no final da Eucaristia.
Estas são apenas algumas das diferenças que se podem observar na Missa Tridentina, dentro de um infinito leque. Apesar de tudo, a participação na Santa Missa, segundo o Rito Tridentino, é uma experiência deveras interessante.

Numa próxima oportunidade reflectirei alguma coisa sobre a Santa Missa Tridentina.

Que Deus o permita!
Ad Majorem Dei Gloriam.

2 comentários:

Anónimo disse...

Gostaria de lembrar duas diferenças importantíssimas, a saber:

* O sentido dado ao ofertório, substituído na liturgia reformada de Paulo VI pela apresentação dos dons.

* A posição de toda a comunidade voltada para oriente, para a Cruz de Cristo.

Estas têm um carácter bem mais profundo, e com maiores implicações.

EM CRISTO,

Manuel Pereira

João Nuno Amorim de Pinho disse...

Caro Manuel Pereira,

Obrigado pelas suas anotações, por sinal de grande valor.
Quando escrevi este apontamento não quis fazer uma listagem completa das diferenças, mas sim abordagem geral ao tema. No entanto as suas notas são sem duvída importantíssimas.

Ad Majorem Dei Gloriam.

João Nuno Amorim de Pinho.