domingo, 25 de março de 2007

Suspiros do passado...

Eis aqui uma pequena preciosidade do meu infinitamente amado Carreço: a estação do caminho de ferro!!!

No dia 1 de Julho de 1878, no seguimento de um enorme surto de modernização fomentada por Fontes Pereira de Melo, é inaugurado mais um troço de caminho de ferro da Linha do Minho entre Darque e Caminha. É neste trecho de paraíso que ao quilómetro 92 da referida linha aparece a Estação de Montedor, cujo nome foi mais tarde mudado, passando a ostentar Carreço, o nome da freguesia onde se situa.
O edifício de linhas sóbrias demonstra uma enorme elegância e poder no contexto da paisagem fazendo vislumbrar novos horizontes, novas civilizações, novas vidas, enfim o mundo...

Já se passaram alguns anos desde o infeliz fecho desta estação. No entanto, ainda recordo vagamente o cruzar dos comboios nas duas linhas que aqui existiam, uma das quais foi desmantelada. Ainda me recordo de ouvir perguntarem ao Sr. Sousa, um dos últimos chefes da estação, qual o destino do comboio de cada linha.
Outro pormenor curioso era a bilheteira, que ainda era daquelas antigas, quem sabe se não era a original da estação... Neste local venderam-se imensos bilhetes para os mais remotos pontos do país. No tempo do Estado Novo muitos foram os que adquiriam bilhetes para Monção com o intuíto de passarem de assalto para a vizinha Espanha e depois para França. Hoje o troço Valença-Monção encontra-se desactivado.

A gare faz lembrar o movimento do tempo. Nela sucederam as mais diversas coisas: despedidas apressadas, calorosas chegadas, recepções oficiais, etc, etc, etc... Ainda hoje podemos sentir no chão e nas pedras as lágrimas de pessoas que se afastaram para sempre, as palavras de alegria de reencontros felizes, a azáfama do povo que se dirigia para as feiras, enfim, podemos sentir tudo o que se pode sentir e imaginar. Todo o mundo é ali recordado.

Ainda assim para tristeza de todos, estes acontecimentos não passam apenas de meras imagens do passado. Hoje a estação está fechada e param apenas 5 comboios para o sul e 4 para o norte, durante um dia inteiro. Poucos são os que usam este serviço, que pela força do mundo pode estar condenado a desaparecer. Por isso todos devemos defender esta linha que tanta luta exigiu ao povo de Carreço e de todas as freguesias por onde esta linha passa.

Quem sabe se não estarão aí a porta dias melhores???

2 comentários:

Anónimo disse...

Ah! Ah! Ah! Até parece que é verdade... lembras-te tú lá dos comboiso cruzarem em Carreço.

João Nuno Amorim de Pinho disse...

O(a) artolas que escreveu isto que venha falar comigo!!! Lembro-me perfeitamente. E recordo com muita saudade!!! Já lá vão mais de 12 anos. Não sei se sabes mas ainda existe gente em Carreço que utiliza o comboio em vez daqueles autocarros horríveis!!!